Psicologia

11 mitos aterrorizantes (e fatos reveladores) sobre a violência doméstica

Pin
Send
Share
Send
Send



“A violência doméstica afeta todos os aspectos socioeconômicos, étnicos, raciais, educacionais, de idade e religiosos” - K. J. Wilson, autor do livro When Violence Begins at Home. Infelizmente, um estudo do Departamento de Justiça dos EUA mostra que cerca de um milhão de crimes violentos são cometidos por ex-cônjuges, maridos ou esposas todos os anos. 85% das vítimas são mulheres. Para aumentar a conscientização sobre a violência doméstica e evitar essa “epidemia”, você precisa começar informando as pessoas. Aqui estão 11 fatos e mitos sobre a violência doméstica.

Mito 1: A violência doméstica só pode ser física.

Fato: ações abusivas que são tangentes a outra pessoa podem ser verbal, emocional, sexual e física

Físico: Bater, empurrar, empurrar, segurar pela força, pressionar é ações inaceitáveis.

Sexual: quando um parceiro força a ter relações sexuais e realiza quaisquer atos sexuais indesejados em relação ao outro.

Psicológico: insultos verbais e emocionais, ameaças, intimidação, assédio, isolamento da família e amigos, dependência financeira forçada.

Ataques à propriedade e animais de estimação: danos a itens domésticos, intimidação ou morte de seus animais de estimação favoritos.

Mito número 2: violência doméstica não se aplica

Fato: neste caso, as estatísticas são muito difíceis de determinar, mas muitos sinais indicam que a violência doméstica é mais comum do que a maioria das pessoas pensa. Por exemplo, devido à falta de espaço, abrigos nos EUA para mulheres que foram expostas à violência doméstica podem receber apenas 10 a 40% que solicitam ajuda.

Outro exemplo é mulheres divorciadas. Nos estados, eles representam menos de 8% da população. As estatísticas mostram que as mulheres em divórcio foram submetidas a violência doméstica 14 vezes mais do que as mulheres nos relacionamentos. Se você olhar para as estatísticas, os dados de hoje não são considerados impressionantes, porque a violência muitas vezes não é passível de publicidade.

Mito 3: A violência doméstica afeta apenas as mulheres.

Fato: qualquer um pode se tornar vítima de violência. Pode ser dirigido a uma mulher, homem, criança ou velho; afetam todos os grupos sociais e grupos étnicos. As mulheres são as vítimas mais vulneráveis ​​da violência doméstica. Como prova, as estatísticas são:

Todos os dias nos EUA, três mulheres são mortas por um marido ou namorado.

Segundo o FBI, uma mulher é espancada a cada 15 segundos.

Até 10 milhões de crianças testemunham a violência doméstica a cada ano.

Os meninos que testemunharam espancamentos na família são duas vezes mais propensos a cometer violência contra suas esposas ou namoradas.

No mundo, uma em cada três mulheres foi espancada, forçada a fazer sexo ou abusada de qualquer outra forma.

92% dos abusados ​​são mulheres.

Mito # 4: A violência doméstica ocorre apenas entre pessoas de baixa renda ou em comunidades rurais.

Fato: Segundo a Secretaria de Justiça, altas taxas de violência perpetrada ocorrem em cidades, subúrbios e áreas rurais. Estupradores podem ser encontrados tanto em mansões quanto em casas de aldeia.

Mito número 5: mulheres agredidas podem fugir facilmente

Fato: Uma combinação de fatores dificulta a decisão de sair. Estes incluem: pressão familiar e social, vergonha, uma barreira financeira, uma criança e crenças religiosas. Até 50% das mulheres com filhos que foram abusadas na família se tornam desabrigadas se deixarem o agressor. Além disso, muitos que são abusados ​​enfrentam a ambivalência psicológica de deixar a família.

Mito 6: A violência é causada por álcool ou drogas.

Fato: O abuso de drogas não é a causa da violência doméstica. No entanto, drogas e álcool enfraquecem o senso de autocontrole e podem levar a coisas descontroladas e perigosas em relação a outra pessoa.

Mito número 7: as vítimas podem revidar

Fato: combater a violência doméstica nunca é fácil. "A maioria dos estupradores domésticos são homens fisicamente fortes que foram insultados por mulheres", observa Joyce Zoldak em seu livro When Danger Comes: Sobreviventes da Violência Doméstica No caso de abuso de idosos, o estado fraco da vítima não se permite ser protegido. Uma criança abusada por um guardião adulto é muito mais fraca fisicamente e moralmente.

Mito número 8: a vítima provocou violência.

Fato: O agressor é o único responsável por suas ações. Nada pode garantir que a violência não aconteça com você. Eles muitas vezes tentam culpar a vítima por suas ações:
"Você me irritou!"
"Feito com ciúmes!"
"Isso nunca teria acontecido se você não tivesse feito isso."
"Eu não queria fazer isso, mas você se permitiu demais"

A vítima deve ter certeza de que a violência não é culpa deles.

Mito número 9: a violência doméstica é um assunto privado.

Fato: devemos cuidar um do outro. O estuprador pode ser seu amigo, primo, colega ou amigo na academia. Se você perceber que ele está interrompendo sua mulher, criticando sua família, gritando ou ameaçando, preste atenção a isso. Só podemos esperar que, quando estão sozinhos, as coisas não piorem. Como posso ajudar? Pense no silêncio como uma desculpa para a violência. E se esse homem está doendo? Economize antes que seja tarde demais.

Mito número 10: os parceiros precisam de uma consulta familiar

Fato: Apenas o abusador precisa de conselhos para mudar o comportamento. Alguns assistentes sociais dizem que o aconselhamento de casais é uma intervenção inadequada que coloca a vítima em risco. Isso encoraja o agressor a culpar. Muitas mulheres são severamente espancadas após a admissão, durante as quais relataram incidentes de violência ou coerção. O objetivo que vem primeiro é que o agressor deve assumir a responsabilidade pelos ataques e entender que a violência precisa ser interrompida.

Mito número 11: Os ofensores são pessoas más

Fato: qualquer um pode ficar ofendido, e a maioria de nós também pode ser propensa à violência contra os outros, não importa o quanto todos nós saibamos que isso está errado.

Estupradores são pessoas que podem ser competentes e estáveis ​​em muitas áreas de suas vidas, mas fracas, insensatas e incontroláveis ​​quando se trata de violência. Isso não justifica seu comportamento porque a violência é má. Os usuários de drogas devem, de qualquer forma, ser responsabilizados por suas ações e prontamente buscar apoio de um psicólogo, psiquiatra, terapeuta ou mentor espiritual. Com a ajuda de uma comunidade informada, familiares e amigos, você pode quebrar o ciclo de violência.

Pin
Send
Share
Send
Send